DB2 - Banco de dados - Projeto de Banco de Dados - www.cadcobol.com.br



Desenvolvido por DORNELLES Carlos Alberto - Analista de Sistemas - Brasília DF. - cad_cobol@hotmail.com

Projeto de Banco de Dados

INTRODUÇÃO

O projeto de banco de dados é fundamental para o sucesso na implementação da tecnologia de banco de dados em uma empresa.
Para pequenos sistemas muitas vezes o responsável pelo projeto parte diretamente para a criação do banco de dados físico e em seguida a criação das tabelas, colunas e índices.
Porém quando se pensa em um banco de dados para uma empresa grande, dependendo do tamanho do projeto é fundamental um bom processo de projeto de banco de dados para que se possa garantir que o usuário terá todos os seus requisitos de informação atendidos na forma de informações disponíveis no banco de dados, além de outras considerações já vistas anterioremente tais como disponibilidade, desempenho e confiabilidade do banco de dados.

Um projeto de banco de dados é caracterizado por um processo que possui fases distintas e com aspectos diferentes mas que tem como objetivo final a implementação de um banco de dados que atenda as necessidades de informação do usuário e aos requisitos não funcionais de disponibilidade, desempenho e confiabilidade esperados.

As Três fases que fazem parte de um projeto de banco de dados:

Modelo conceitual

Representa os conceitos do negócio e as associações existentes entre estes conceitos.
Também são representados os atributos assim como as regras de negócio que regulam as associações e conceitos do negócio.
Este modelo é independente da tecnologia de implementação usada para o banco de dados e por isto é a etapa mais adequada para o envolvimento do usuário que não precisa ter conhecimentos técnicos.

As características principais deste modelo são :

  • Visão Geral do negócio
  • Facilidade de entendimento entre usuários e desenvolvedores
  • Possui somente as entidades, relacionamentos e atributos principais

Os principais produtos da fase de projeto conceitual são:

  • O diagrama de entidade e relacionamentos, também conhecido por modelo de entidade relacionamentos;
  • Lista de Regras de Restrição de Integridade.


Modelo Lógico

Representa as estruturas de dados a serem implementadas e suas características considerando os limites impostos pelo modelo de dados usado para implementação do banco de dados. (banco de dados hierárquico , banco de dados de rede, banco de dados relacional ,etc.).

As características principais deste modelo são:

  • É derivado do modelo conceitual
  • Possui entidades associativas em lugar de relacionamentos n:m
  • Define as chaves primárias das entidades
  • Define as chaves estrangeiras entre as entidades
  • Normalização até a 3a. forma normal
  • Adequado ao padrão de nomenclatura adotado pela empresa
  • As Entidades e atributos são documentados em um Dicionário de Dados

O principal produto da fase de projeto lógico é o modelo relacional.


Modelo Físico

Modelo Físico

Este modelo representa a implementação do modelo lógico considerando algum tipo particular de tecnologia de banco de dados e os requisitos não funcionais ( desempenho, disponibilidade, segurança) que foram identificados pelo analista de requisitos.

As características principais deste modelo são :

  • Elaborado a partir do modelo lógico
  • Pode variar segundo a tecnologia usada para implementação do banco de dados
  • Possui tabelas físicas (log , lider , etc.)
  • Possui colunas físicas (replicação)

No modelo físico, a linguagem SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão para definição, manipulação e controle de uso das estruturas de dados.

Existem muitos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados disponíveis no mercado.
Como exemplo, podemos citar o PostgreSQL e o MySQL, que tem código aberto e são gratuitos.
Também existe o Oracle, DB2, Sybase SQL Server, Informix e Microsoft SQL Server, que são pagos e não possuem código aberto, sendo bastante usados em corporações.


Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados - SGBDs

O SGBD é um software responsável pelo armazenamento e gerenciamento de grandes volumes de dados estruturados de acordo com o modelo de dados implementado pelo SGBD e com recursos para acesso e atualização das informações.

Vantagens:

  • Rapidez na manipulação e no acesso à informação;

  • Redução do esforço humano (desenvolvimento e utilização);

  • Disponibilização da informação no tempo necessário;

  • Distribuição de informações geograficamente;

  • Controle de redundância e de inconsistência de informações;

  • Compartilhamento de dados;

  • Aplicação automática de restrições de integridade;

  • Controle de acesso e segurança dos dados;

  • Redução de problemas de integridade.


DICIONÁRIO DE DADOS

Um dicionário de dados é um documento que descreve as informações representadas no modelo de dados, descrevendo informações de suas entidades e seus atributos ( tamanho, tipos de dado, obrigatoriedade e definição ).

O dicionário de dados é usado para documentar os dados da empresa e facilitar a comunicação e entendimento entre analista de sistemas e seus usuários, alem de servir de ferramenta para avaliação de modelos de dados pelos analistas de dados corporativos que tem a responsabilidade de manter o modelo de dados corporativo sem redundancias, completo e de fácil manutenção.

Algumas ferramentas CASE geram dicionário de dados automaticamente a partir das informações existentes no catálogo do banco dados.

Quando uma organização constrói um dicionário de dados de dimensão empresarial, o intuito deve ser o de padronizar precisamente definições semânticas a serem adotadas na empresa toda; portanto, ele deve incluir tanto definições semânticas como de representação para elementos de dados, sendo que os componentes semânticos focam na criação precisa do significado dos elementos de dados, e de outro lado, as definições de representação indicam como os elementos de dados são armazenados em uma estrutura de computador de acordo com seu tipo, ou seja, se são dados do tipo inteiro, caracter ou formato de data.