QMF para TSO e CICS - Glossário de Termos e Acrônimos



Desenvolvido por DORNELLES Carlos Alberto - Analista de Sistemas - Brasília DF. - cad_cobol@hotmail.com

QMF para TSO e CICS - Glossário de Termos e Acrônimos


Letra A

acionador
Um objeto de banco de dados que está associado com uma tabela base ou visualização única e que define uma regra.
A regra consiste em um conjunto de instruções SQL que é executado quando uma operação de inserção, atualização ou exclusão do banco do dados ocorre na tabela base ou na visualização.

administrador do banco de dados
Uma pessoa que é responsável pelo design, pelo desenvolvimento, pela operação, pela segurança, pela manutenção e pelo uso de um banco de dados.

Advanced Program-to-Program Communication
Consulte APPC.

agrupamento de coluna
A formatação de valor em um relatório no qual os valores ocupam diversas linhas dentro de uma coluna. O agrupamento de colunas sempre é usado quando uma coluna contém valores cujo comprimento excede a largura da coluna, como nos casos que exigem a exibição de dados XML.

alias
Um nome alternativo usado para identificar uma tabela, uma visualização ou um apelido. Um alias pode ser usado em instruções SQL para fazer referência a uma tabela, uma visualização ou um banco de dados no mesmo sistema ou subsistema DB2 em um sistema ou subsistema DB2 remoto.

ambiente
Uma coleta nomeada de recursos lógicos e físicos usados para suportar o desempenho de uma função.

APAR (Authorized Program Analysis Report)
Um pedido para correção de um defeito em um release suportado de um programa fornecido pela IBM.

APF (authorized program facility)
Em um ambiente z/OS, um recurso que permite a identificação de programas que estão autorizados a usar funções restritas.

API (Interface de Programação de Aplicativos)
Uma interface que permite que um programa de aplicativo que é criado em uma linguagem de alto nível use dados ou funções específicas do sistema operacional ou de outro programa.

APPC (Advanced Program-to-Program Communication)
Uma implementação do protocolo SNA LU 6.2 que possibilita que sistemas interconectados se comuniquem e compartilhem o processamento de programas.

application
Um ou mais programas de computador ou componentes de software que usam serviços do QMF para fornecer funcionalidade no suporte direto de um processo ou processos de negócios específicos.

application requester
A origem de um pedido para um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional (RDBMS)ativado para DRDA remoto.
Apenas os bancos de dados DB2 para z/OS podem funcionar como solicitantes de aplicativos porque este é o único tipo de banco de dados no qual o QMF pode ser iniciado.

application server
O destino de uma solicitação a partir de um solicitante de aplicativo. O sistema de gerenciamento de banco de dados (DBMS)no site do servidor de aplicativo atende o pedido.
A conectividade com servidores remotos não é permitida quando o QMF para TSO está sendo executado como um procedimento armazenado do DB2 para z/OS.

argumento
Um valor transmitido para ou retornado de uma função ou procedimento no tempo de execução.

Authorized Program Analysis Report
Consulte APAR.

Authorized program facility
Consulte APF.

autoridade do administrador do QMF
Autoridade que permite que um usuário insira ou exclua linhas na tabela de controle Q.PROFILES.
Usuários com esta autoridade podem executar os seguintes comandos em consultas, formulários e procedimentos do QMF que são de propriedade de outros usuários sem forçar os proprietários a compartilhar estes objetos com todos os usuários: SAVE, ERASE, IMPORT, EXPORT e DISPLAY.
O QMF verifica cada ID do usuário em relação à autoridade do administrador durante a inicialização; é possível desativar esta verificação configurando a variável DSQEC_DISABLEADM na rotina de saída DSQUOPTS ou em outro programa de sua opção.

área de rascunho
Uma área de trabalho usada no processamento de conversação para reter informações de um programa de aplicativo através de execuções do programa.


Letra B

banco de dados
Uma coleta de itens de dados inter-relacionados ou independentes que são armazenados juntos para atender um ou mais aplicativos.

banco de dados distribuído
Um banco de dados que aparece para usuários como um banco de dados com lógica completa, acessível localmente, mas que consiste em bancos de dados em vários locais que são conectados por uma rede de comunicações de dados.

banco de dados relacional
Um banco de dados que pode ser entendido como um conjunto de tabelas e manipulado de acordo com o modelo relacional de dados.
Cada banco de dados inclui um conjunto de tabelas de catálogo do sistema que descreve a estrutura lógica e física dos dados, um arquivo de configuração contendo os valores de parâmetro alocados para o banco de dados e um log de recuperação com transações contínuas e transações arquiváveis.

bloqueio
Um meio de serializar uma sequência de eventos ou serializar acesso a dados.

buffer pool
Uma área de memória na qual páginas de dados são lidas e nas quais elas são modificadas e mantidas durante o processamento.
Consulte também espaço de endereço.

busca
O processo de recuperação de linhas a partir do banco de dados ou de um arquivo para criar um objeto de dados do QMF.
O QMF suporta busca em várias linhas através do uso do parâmetro DSQSMRFI.


Letra C

cadeia binária
Uma sequência de bytes que não está associada com o conjunto de caracteres codificados e que, portanto, nunca é convertida. Por exemplo, o tipo de dados BLOB é uma cadeia binária. Consulte também CCSID.

cadeia de caracteres
Uma sequência de bytes que representam dados de bit, caracteres de byte único ou uma mistura de caracteres de byte único e de multibyte.

cadeia gráfica
Uma sequência de caracteres do conjunto de caracteres de byte duplo (DBCS).

CAF (call attachment facility)
Um recurso de conexão do DB2 para z/OS para programas de aplicativo que são executados no lote TSO ou z/OS.
O CAF é uma alternativa para o processador de comandos DSN e fornece maior controle sobre o ambiente de execução.

call attachment facility
Consulte CAF.

callable interface
Uma interface de programação que fornece acesso a objetos e serviços do QMF.

caractere shift-in
Um caractere de controle (X'0F') que é usado em sistemas EBCDIC para indicar que os bytes subsequentes representam caracteres SBCS.
Consulte também caractere shift-out.

caractere shift-out
Um caractere de controle (X'0E') que é usado em sistemas EBCDIC para indicar que os bytes subsequentes, até o próximo caractere de controle shift-in, representam caracteres DBCS.
Consulte também caractere shift-in.

catálogo
Uma coleta de tabelas e visualizações que contém descrições de objetos, tais como tabelas, visualizações e índices.
Consulte também catálogo de objetos do QMF.

catálogo de objetos do QMF
Um conjunto de tabelas de controle de armazenam informações sobre consultas, procedimentos e formulários do QMF.
Estas tabelas de controle incluem Q.OBJECT_DIRECTORY, Q.OBJECT_DATA e Q.OBJECT_REMARKS.

CCSID (coded character set identifier)
Um número de 16 bits que inclui um conjunto específico de identificadores de esquemas de codificação, identificadores de conjuntos de caracteres, identificadores de páginas de códigos e outras informações que identificam exclusivamente a representação de caracteres gráficos codificados.
Como o QMF usa serviços de exibição fornecidos pelo GDDM, a página de códigos do aplicativo GDDM deve estar de acordo com os CCSIDs em uso para o banco de dados.
Consulte também cadeia binária

chave
Uma coluna ou uma coleta ordenada de colunas que é identificada na descrição de uma tabela, um índice ou uma restrição de referência.
A mesma coluna pode ser parte de mais de uma chave.

chave estrangeira
Em um banco de dados relacional, uma chave em uma tabela que faz referência à chave primária em outra tabela.

chave primária
Em um banco de dados relacional, uma chave que identifica exclusivamente uma linha de uma tabela de banco de dados.

CICS (Customer Information Control System)
Um programa licenciado IBM® que fornece serviços de processamento de transações on-line e gerenciamento para aplicativos de negócios.

cláusula
No SQL, uma parte distinta de uma instrução na estrutura de linguagem, tal como uma cláusula SELECT ou uma cláusula WHERE.

CM (Modo de Compatibilidade)
Um modo de instalação do QMF Versão 8.1 e do QMF Versão 9.1 que limitou nomes de proprietários e objetos no catálogo de objetos do QMF a oito e 18 caracteres, respectivamente. Consulte também NFM.

coded character set identifier
Consulte CCSID.

coexistência
O estado durante o qual dois releases do QMF existem no mesmo subsistema DB2.
O QMF Versão 10 pode coexistir apenas com o Novo Modo de Função do QMF Versão 9.1 ou Novo Modo de Função do QMF Versão 8.1.

coluna
O componente vertical de uma tabela de banco de dados.
Uma coluna possui um nome um tipo de dados específico (por exemplo, caractere, decimal ou número inteiro).

coluna de identidade
Uma coluna que fornece uma maneira para o gerenciador do banco de dados do DB2 automaticamente gerar um valor numérico para cada linha que é inserido em uma tabela.
Colunas de identidade são definidas com a cláusula AS IDENTITY.
Uma tabela não pode ter mais de uma coluna de identidade.

command interface
Uma interface para emitir comandos do QMF.
A interface de comando permite emitir comandos do QMF a partir de um diálogo ISPF em execução sob o QMF.
Usando esta interface, o QMF se comunica com o diálogo através do conjunto de variáveis ISPF.

command synonym
O verbo ou parte do verbo/objeto do comando definido pelo site.
Após sinônimos de comando serem definidos e ativados no perfil do QMF, os usuários podem inserir sinônimos na linha de comandos do QMF como eles fazem com comandos regulares do QMF.

command synonym table
Uma tabela que armazena um comando definido pelo site em cada linha.
Você designa um conjunto de sinônimos de comando para um usuário armazenando o nome desta tabela no perfil do usuário.

commit
Terminar uma unidade de trabalho liberando bloqueios de forma que as alterações de banco de dados feitas por tal unidade de trabalho possam ser percebidas por outros processos.
Esta operação torna permanentes as alterações de dados.

commit de duas fases
Um processo com duas etapas através do qual ocorre o commit de recursos recuperáveis em um subsistema externo.
Durante a primeira etapa, os subsistemas do gerenciador de banco de dados são sondados para garantir que esteja, prontos para o commit.
Se todos os sistemas responderem positivamente, o gerenciador do banco de dados os instrui para o commit.

Compatibility Mode
Consulte CM.

comprimento do registro
O comprimento do armazenamento que representa uma linha ou outros dados.

concatenation
Junção de dois caracteres ou cadeia para formar uma cadeia.

condição de pesquisa
Um critério para selecionar linhas de uma tabela. Uma condição de procura consiste em um ou mais predicados.

conexão
Na comunicação de dados, uma associação estabelecida entre entidades para transmissão de informações.
Consulte também conexão SQL. A conectividade com servidores remotos não é permitida quando o QMF para TSO está sendo executado como um procedimento armazenado do DB2 para z/OS.

conexão SQL
Uma associação entre um processo de aplicativo e um servidor de aplicativos ou servidor de banco de dados local ou remoto.
Consulte também unidade de trabalho remota, unidade de trabalho distribuída.

conjunto de caracteres de byte duplo
Consulte DBCS.

constante
Um elemento de linguagem que especifica um valor inalterável.
As constantes são classificadas como constantes da cadeia ou constantes numéricas.

consulta
Um pedido para informações de um banco de dados com base em condições específicas: por exemplo, um pedido para uma lista de todos os clientes em uma tabela de clientes cujos saldos são maiores do que $1.000. No QMF, uma consulta também pode fazer referência a instruções SQL enviadas do painel Consulta Solicitada, QBE ou Consulta SQL, mesmo se estas instruções não forem pedidos para informações (instruções SELECT).

consulta solicitada
Uma consulta orientada por menu controlada pelos parâmetros fornecidos pelo usuário.

código de retorno SQL
O SQLSTATE ou SQLCODE que indica se a instrução SQL previamente executada foi concluída com êxito, com um ou mais avisos, ou com um erro.

CSECT (control section)
A parte de um programa especificada pelo programador para ser uma unidade relocável; todos os elementos que devem ser carregados nos locais de armazenamento principal adjacentes.

current location
O servidor de aplicativos com o qual a sessão do QMF está conectada atualmente.
Após a conexão ser estabelecida, este servidor processa todas as instruções SQL.
Ao inicializar o QMF, o local atual pode ser indicado usando o parâmetro de inicialização DSQSDBNM.
A conectividade com servidores remotos não é permitida quando o QMF para TSO está sendo executado como um procedimento armazenado do DB2 para z/OS.

cursor
Uma estrutura de controle nomeada usada por um programa de aplicativo para apontar para e selecionar uma linha de dados a partir de um conjunto.

Customer Information Control System
Consulte CICS.



Letra D

dados de bit
Dados com um tipo de dados CHAR ou VARCHAR que não estão associados com um conjunto de caracteres codificados e que, portanto, não são convertidos.

database management system
Consulte DBMS.

DBCS (conjunto de caracteres de byte duplo)
Conjunto de caracteres em que cada caractere é representado por dois bytes.
Estes conjuntos de caracteres são comumente usados por idiomas nacionais, tais como japonês e chinês, que possuem mais símbolos do que podem ser representados por um byte único. Consulte também SBCS.

DBMS (sistema de gerenciamento de banco de dados)
Um sistema de software que controla a criação, organização e modificação de um banco de dados e o acesso aos dados que estão armazenados nele.

DCT (destination control table)
Uma tabela descrevendo cada um dos destinos de dados transientes usados no CICS.
Esta tabela contém uma entrada para cada partição extra, intrapartição e destino indireto.

destination control table
Consulte DCT.

distributed data
Dados que são armazenados em mais de um sistema e estão disponíveis para usuários e programas de aplicativos remotos.

Distributed Relational Database Architecture
Consulte DRDA.

distributed unit of work
Um formulário de processamento de banco de dados relacional distribuído que permite que um usuário ou programa de aplicativo leia ou atualize dados em vários locais dentro de uma unidade de trabalho.
Dentro de uma unidade de trabalho, um aplicativo, tal como o QMF, executar em um sistema pode direcionar pedidos SQL para vários sistemas de gerenciamento de banco de dados remotos usando o SQL suportado por tais sistemas.
O pedido é feito através de um comando do QMF que inclui um nome de tabela ou visualização contendo três partes.
Comandos do QMF com nomes contendo três partes não podem ser direcionados para bancos de dados DB2 para VM ou VSE nem usados quando o QMF para TSO tiver sido iniciado como um procedimento armazenado do DB2 para z/OS.
Nomes contendo três partes nos comandos do QMF também não podem fazer referência a uma tabela que contenha tipos de dados large object (LOB).

DRDA (Distributed Relational Database Architecture)
A arquitetura que define formatos e protocolos para fornecer acesso transparente a dados remotos.
A DRDA define dois tipos de funções: a função de solicitante de aplicativo e a função de servidor de aplicativos.


Letra E

editor de ligação
Um programa de computador para criar módulos de carregamento de um ou mais módulos de objeto ou carregar módulo resolvendo referências cruzadas entre os módulos e, se necessário, ajustando endereços.

encadeamento
A estrutura do DB2 que descreve uma conexão do aplicativo, rastreia seu progresso, processa funções de recursos e delimita sua acessibilidade aos recursos e serviços do DB2.
A maioria das funções do DB2 é executada sob uma estrutura de encadeamento.

encerramento de forma anormal da tarefa (abend)
O término de uma tarefa, trabalho ou subsistema devido a uma condição de erro que os recursos de recuperação não podem resolver durante a execução.

espaço de endereço
O intervalo de endereços disponíveis para um programa ou processo do computador.
O espaço de endereço pode fazer referência a um armazenamento físico, armazenamento virtual ou ambos.

espaço de tabela segmentado
Um espaço de tabela que é dividido em grupos de páginas de tamanhos iguais denominados segmentos.
Os segmentos são designados a tabelas de forma que linhas de diferentes tabelas nunca sejam armazenadas no mesmo segmento.
Consulte também espaço de tabela.

espaço de tabelas
Uma unidade lógica de armazenamento em um banco de dados.
No DB2 para z/OS, um espaço de tabela é um conjunto de páginas e pode conter uma ou mais tabelas.
No DB2 para Linux®, UNIX® e Windows®, um espaço de tabela é uma coleta de contêineres, e os dados, o índice, o campo longo e a partes LOB de uma tabela podem ser armazenados no mesmo espaço de tabela ou em espaços de tabela separados.

exclusão em cascata
Um processo através do qual o gerenciador do banco de dados do DB2 impõe restrições de referência ao excluir todas as linhas descendentes de uma linha-pai excluída.

exibir
Uma tabela lógica que é baseada em dados armazenados em um conjunto subjacente de tabelas.
Os dados retornados por uma visualização são determinados por uma instrução SELECT que é executada nas tabelas subjacentes.

extended syntax
Sintaxe que é usada para os comandos SET GLOBAL e GET GLOBAL do QMF e determinadas chamadas de função.
A sintaxe estendida define parâmetros usados pelos aplicativos de interface selecionável do QMF criados em Assembler, C, COBOL, Fortran ou PL/I.


Letra F

fallback
O processo de retornar para um release anterior de um programa de software após tentar ou concluir a migração para um release atual.

formulário padrão
O formulário do QMF criado quando um formulário salvo não é especificado no comando RUN QUERY.

função agregada
Qualquer uma do grupo de funções que resume dados em uma coluna.
Elas são solicitadas com estes códigos de utilização nos painéis de formulário: AVERAGE, CALC, COUNT, FIRST, LAST, MAXIMUM, MINIMUM, STDEV, SUM, CSUM, PCT, CPCT, TPCT, TCPCT.

função de coluna
Consulte função agregada.

função definida pelo usuário
Consulte UDF.

função integrada
Uma função restrita e de alto desempenho que é integral para o banco de dados DB2.
Uma função integrada pode ser referenciada em instruções SQL em qualquer lugar que uma expressão seja válida.

função SQL
Uma função que está implementada inteiramente usando um subconjunto de instruções SQL e instruções PL SQL.



Letra G

GDDM (Graphical Data Display Manager)
Software gráfico que define e exibe texto e gráficos para saída em um dispositivo de exibição ou uma impressora.

gerenciador de banco de dados
Um programa que gerencia dados fornecendo controle centralizado, independência de dados e estruturas físicas complexas para acesso eficiente, integridade, recuperação, controle de simultaneidade, privacidade e segurança.

global variable
Uma entidade nomeada cujo valor persiste para a duração de uma sessão do QMF.
O QMF usa variáveis globais para gerenciar ambas as atividades de sessão e do banco de dados.
Algumas variáveis globais podem ser configuradas com o comando SET GLOBAL, enquanto outras informações de registro sobre o estado da sessão do QMF atual e, portanto, não podem ser configuradas.

Graphical Data Display Manager
Consulte GDDM.


Letra H

host
O controle ou sistema de mais alto nível em uma configuração de comunicações de dados.

HTML (linguagem de marcação de hipertexto)
Uma linguagem de marcações que está em conformidade com o padrão Standard Generalized Markup Language (SGML) e que foi designada principalmente para suportar a exibição on-line das informações textuais e gráficas, incluindo links de hipertexto.


Letra I

ICU (Interactive Chart Utility)
Um componente orientado a menus do produto Graphical Data Display Manager da IBM (GDDM) que permite que não programadores exibam, imprimam ou desenhem mapas, gráficos e diagramas.

ID de autorização primário
O identificador de autorização usado para identificar um processo aplicativo do DB2 para z/OS.

ID de autorização secundário
No DB2 para z/OS, um identificador de autorização que está associado com um ID de autorização primário por uma rotina de saída de autorização.
Consulte também ID de autorização primário.

identificador de autorização (ID de autorização)
Uma cadeia de caracteres que designa um conjunto de privilégios e que pode ser usada para verificar autoridade.
Um ID de autorização pode representar um objeto, um usuário individual, um grupo organizacional, uma função ou uma função de banco de dados.
O QMF autentica o ID de autorização do banco de dados ou, opcionalmente, o ID de logon do QMF, junto à coluna CREATOR da tabela Q.PROFILES durante a inicialização do QMF.

installation verification procedure
Consulte IVP.

Integration Exchange Format
Consulte IXF.

Interactive Chart Utility
Consulte ICU.

Interactive System Productivity Facility
Consulte ISPF.

interface de procedimento armazenado
Uma interface para QMF para TSO que permite iniciar o QMF como um procedimento armazenado do DB2 para z/OS, transmitir o nome de uma consulta ou procedimento do QMF que executa o trabalho necessário e receber até 21 conjuntos de resultados de volta, incluindo um conjunto de resultados para a saída de rastreio.
O QMF para TSO pode ser iniciado desta maneira a partir de qualquer produto que possa executar um procedimento armazenado do DB2 para z/OS.

interface de programação de aplicativos
Consulte API.

ISPF (Interactive System Productivity Facility)
Um programa licenciado da IBM que funciona como um editor de tela inteira e gerenciador de diálogos.
Usado para criar programas de aplicativos, ele fornece uma maneira de gerar painéis de tela padrão e diálogos interativos entre o programador de aplicativo e o usuário do terminal.

IVP (Installation Verification Procedure)
Um procedimento ou programa cujo propósito é verificar se um produto foi corretamente instalado.

IXF (Integration Exchange Format)
Um protocolo para transferência de dados tabulares entre diversos produtos de software.

índice
Um conjunto de ponteiros que é logicamente ordenado pelos valores de uma chave.
Os índices fornecem acesso rápido a dados e podem impor exclusividade dos valores-chave para as linhas na tabela.


Letra J

JCL (job control language)
Uma linguagem de comando que identifica uma tarefa para um sistema operacional e descreve os requisitos da tarefa.

job control language
Consulte JCL.

junção
Uma operação relacional SQL que permite a recuperação de dados de duas ou mais tabelas com base nos valores de coluna correspondentes.

junção externa
O resultado de uma operação de junção que inclui as linhas correspondentes de ambas as tabelas que estão sendo unidas e preserva algumas ou todas as linhas não correspondentes das tabelas que estão sendo unidas.
Consulte também junção interna.

junção interna
O resultado de uma operação de junção que inclui apenas linhas correspondentes de ambas as tabelas que estão sendo unidas.
Consulte também junção externa.


Letra L

large object
Consulte LOB.

ligação
Converter a saída do pré-compilador DBMS para uma estrutura de controle usável, tal como um plano de acesso, um plano de aplicativo ou um pacote.

linear procedure
Um conjunto sequenciado de comandos ou sinônimos de comando do QMF que pode ser usado para executar várias operações de uma só vez.
Consulte também procedimento com lógica.

Linguagem de Consulta Estruturada
Consulte SQL.

linguagem de marcação de hipertexto
Consulte HTML.

Linguagem de Marcação Extensível
Consulte XML.

linha
O componente horizontal de uma tabela, consistindo em uma sequência de valores, uma para cada coluna da tabela.

linha dependente
Uma linha que contém uma chave estrangeira que corresponde ao valor de uma chave-pai na linha-pai.
O valor da chave estrangeira representa uma referência da linha dependente para a linha-pai.

linkeditar
Criar um programa de computador carregável através de um editor de ligação.

literal
Uma cadeia de caracteres cujo valor é definido pelos próprios caracteres.
Por exemplo, a constante numérica 7 possui o valor 7 e o constante de caractere 'CHARACTERS' possui o valor CHARACTERS.

LOB (large object)
Uma sequência de bytes com um tamanho variando de 0 bytes a 2 gigabytes (menos de 1 byte). Há três tipos de dados LOB: objeto binário grande (BLOB), character large object (CLOB, que pode incluir apenas caracteres de byte único ou uma mistura de caracteres de byte único e de byte duplo) e double-byte character large object (DBCLOB).
O QMF suporta um tamanho de coluna LOB de até 32 KB. Apenas dados BLOB podem ser exibidos no QMF; os metadados são exibidos em relatórios QMF para os outros tipos de dados LOB.

local
Pertencente a bancos de dados, objetos ou aplicativos que estão instalados ou armazenados no sistema no qual o QMF está em execução atualmente.

location
Um servidor de banco de dados relacional específico em um sistema de banco de dados relacional distribuído.
Cada local possui um nome de local exclusivo.

log
Uma coleta de registros que descreve sequencialmente os eventos que ocorrem em um sistema.

LUW
Uma abreviação para Linux, UNIX e Windows.


Letra M

módulo de carregamento
Um programa em um formulário adequado para carregamento no armazenamento principal para execução.


Letra N

New Function Mode
Consulte NFM.

NFM (Novo Modo de Função)
Um modo de instalação do QMF Versão 8.1 e do QMF Versão 9.1 que permitiu que nomes de proprietários e objetos no catálogo de objetos do QMF tivessem o comprimento máximo permitido pelo banco de dados.
O QMF Versão 10 permite que nomes de proprietários e objetos também sejam tão longos quanto o banco de dados permitir.
Consulte também CM.

NLF (National Language Feature)
Qualquer um dos diversos recursos opcionais disponíveis com o QMF.
Os NLFs permitem que usuários interajam com o QMF em idiomas nativos específicos.

NLF (National Language Feature)
Consulte NLF.

nome da correlação
Um identificador especificado e usado dentro de uma instrução SQL única como o nome exposto para objetos, tais como uma tabela, visualização, referência de função de tabela, expressão de tabela aninhada ou referência de tabela de mudanças.
Nomes de correlação são úteis em uma instrução SQL para permitir duas referências distintas para a mesma tabela base e permitir um nome alternativo a ser usado para representar um objeto.

nome de três partes
O nome completo de uma tabela, uma visualização ou um alias que consiste em um nome de local, um identificador de autorização e um nome de objeto, separados por pontos.
Os comandos do QMF que incluem nomes contendo três partes só podem ser iniciados a partir de bancos de dados do DB2 para z/OS e podem ser direcionados a todos os bancos de dados, exceto DB2 para VM ou VSE.
Quando o QMF para TSO foi iniciado como um procedimento armazenado do DB2 para z/OS, os comandos do QMF com nomes contendo três partes não são permitidos.

nome do local
O nome exclusivo de um servidor de banco de dados.
Um aplicativo usa o nome do local para acessar um servidor de banco de dados do DB2.

número de vírgula flutuante de precisão dupla
Uma representação aproximada de 64 bits de um número real.

número de vírgula flutuante de precisão única
Uma representação aproximada de 32 bits de um número real.



Letra O

objeto
Um espaço de armazenamento nomeado que consiste em um conjunto de características que descrevem o espaço e, em alguns casos, os dados. Um objeto é qualquer coisa que ocupa espaço no armazenamento, pode estar localizado em uma biblioteca ou diretório, pode ser seguro, e no qual operações definidas podem ser executadas. Consulte também objeto do QMF.

objeto atual
Um objeto do QMF que é mantido no armazenamento temporário de forma que, com cada uso, ele possa ser prontamente acessado sem exigir recuperação de banco de dados.
Há sete áreas de armazenamento temporário: QUERY, FORM, PROC, PROFILE, REPORT, DATA e CHART. Os usuários podem navegar em todas as áreas, exceto na área DATA, usando os comandos SHOW e DISPLAY.
Consulte também armazenamento temporário.

objeto do QMF
Um objeto usado por usuários do QMF para consultar, formatar e apresentar dados ou de outra forma, gerenciar a interação entre o QMF e o banco de dados.
Os objetos do QMF incluem consultas e dados do resultado da consulta, formulários, procedimentos, relatórios, gráficos e o perfil do QMF.
Cada objeto do QMF possui uma área de armazenamento temporário nomeada que é usada para exibir o objeto.
Todos os objetos, exceto relatórios e gráficos, podem ser salvos no banco de dados; os relatórios e gráficos são criados dinamicamente mediante solicitação do usuário ao aplicar as especificações de formatação de um formulário do QMF específico nos dados do resultado que foram retornados do banco de dados.
Consulte também armazenamento temporário.

operador de comparação
No SQL, um símbolo usado em expressões de comparação para especificar um relacionamento entre dois valores.
Os operadores de comparação são = (igual a), <> (não igual a), < (menor do que), > (maior do que), <= (menor ou igual a) e >= (maior ou igual a).


Letra P

pacote
Um objeto de banco de dados de estrutura de controle produzido durante a preparação do programa que pode conter ambos os formulários executáveis de instruções SQL estáticas ou expressões XQuery e marcadores para formulários executáveis de instruções SQL dinâmicas.

palavra-chave
Uma das palavras predefinidas de uma linguagem de programação, uma linguagem artificial, um aplicativo ou um comando.

panel
Uma exibição formatada das informações em uma tela que também pode incluir campos de entrada.

parameter
Um valor ou uma referência transmitida para uma função, um comando ou um programa que funciona como entrada ou controla ações.
O valor é fornecido por um usuário ou por outro programa ou processo.

parâmetro da palavra-chave
Um parâmetro que consiste em uma palavra-chave seguida por um ou mais valores.
Consulte também parâmetro posicional.

parâmetro posicional
Um parâmetro que deve aparecer em um local específico, relativo a outros parâmetros.
Consulte também parâmetro de palavra-chave.

partição
Uma parte de um conjunto de páginas.
Cada partição corresponde a um conjunto de dados único e independentemente extensível.
As partições podem ser estendidas para um tamanho máximo de 1, 2 ou 4 gigabytes, dependendo do número de partições no conjunto de páginas particionado.
Todas as partições de um determinado conjunto de páginas possuem o mesmo tamanho.

página de códigos
Uma designação específica de pontos de código para caracteres gráficos.
Dentro de uma determinada página de códigos, um ponto de código pode ter apenas um significado específico.
Uma página de códigos também identifica como pontos de código indefinidos são tratados.

plan
Consulte plano do aplicativo.

plano do aplicativo
A estrutura de controle que é produzida durante o processo de ligação.
O nome padrão para o plano do aplicativo QMF Versão 10 é QMF10.

precisão
Um atributo de um número que descreve o número total de dígitos significativos.

predicado
Um elemento de uma condição de pesquisa que expressa ou significa uma operação de comparação.

privilégio
No SQL, um recurso fornecido ao usuário pelo processamento de uma instrução GRANT.

procedimento
Um conjunto sequenciado de instruções ou comandos usados para executar uma ou mais tarefas.
Consulte também procedimento linear e procedimento com lógica.

procedimento armazenado
Uma rotina que pode ser chamada usando a instrução SQL CALL para executar operações que podem incluir instruções de linguagem de host e instruções SQL.

procedure with logic
Um conjunto de instruções que executa uma ou mais tarefas.
Um procedimento com lógica inicia com um comentário do REXX e possibilita lógica condicional (que usa o REXX), cálculos, cadeias de construção e comandos TSO ou CICS.
Consulte também procedimento linear.

produto base
A versão em inglês do QMF, estabelecida quando o QMF é instalado.
Qualquer outro ambiente de idioma é estabelecido após a instalação ao instalar o National Language Feature (NLF) associado com tal idioma.

profile
Um objeto que contém informações sobre as características da sessão do usuário.

program temporary fix
Consulte PTF.

PTF (program temporary fix)
Para produtos System i, System p e System z, uma correção que é testada pela IBM e disponibilizada para todos os clientes.



Letra Q

QBE (Query-by-Example)
Um componente do QMF que permite que os usuários criem consultas graficamente.

QMF administrator
Um usuário que possui autoridade do administrador do QMF.

qualifier
Quando se referir a um objeto do QMF, a parte do nome que identifica o proprietário ou o local de um objeto.
Quando se refere a um conjunto de dados do TSO, qualquer parte do nome que é separado do resto do nome, por pontos.
Por exemplo, ‘TCK’, ‘XYZ’, e ‘CONSULTA’ são todos qualificadores no nome do conjunto de dados ‘TCK.XYZ.CONSULTA’.

Query-by-Example
Consulte QBE.


Letra R

rastreio
Um registro do processamento de um programa de computador ou transação.
As informações coletadas a partir de um rastreio podem ser usadas para avaliar problemas e desempenho.

RCT (resource control table)
Uma tabela de controle do DB2 que define o relacionamento entre as transações do CICS e os recursos do DB2.

RDBMS (sistema de gerenciamento de banco de dados relacional)
Uma coleta de hardware e software que organizam e fornecem acesso a um banco de dados relacional.

RDO (resource definition online)
No CICS, um recurso que permite que o usuário defina determinados recursos do CICS interativamente enquanto o CICS está em execução.
Especificamente, o RDO permite que o usuário defina terminais, programas e transações interativamente.

recurso
O objeto de um bloqueio ou solicitação, que pode ser um espaço de tabela, um espaço de índice, uma partição de dados, uma partição de índice ou uma partição lógica.

reentrante
Código executável que pode residir no armazenamento como uma cópia compartilhada para todos os encadeamentos de banco de dados.
O código reentrante não é auto-modificável e fornece áreas de armazenamento separadas para cada encadeamento.

referência correlacionada
Uma referência a uma coluna de uma tabela ou visualização que está fora de uma subconsulta.

registro
A representação de armazenamento de uma linha ou outros dados.

remote unit of work
Uma forma de processamento de banco de dados relacional distribuído na qual um programa de aplicativo, tal como o QMF, pode acessar dados em um banco de dados remoto dentro de uma unidade de trabalho.
A conexão é estabelecida pelo comando CONNECT do QMF.
O comando CONNECT não pode ser usado quando o QMF para TSO está sendo executado como um procedimento armazenados do DB2 para z/OS.

remoto
Pertencente a bancos de dados, objetos ou aplicativos que estão instalados ou armazenados em um sistema diferente do sistema no qual o QMF está em execução atualmente.
É possível acessar objetos (incluindo consultas, formulários e procedimentos do QMF) em um servidor remoto usando o comando CONNECT do QMF.
Também é possível usar um comando do QMF com um nome de tabela ou visualização contendo três partes se desejar acessar apenas tabelas ou visualizações em um local remoto.
O acesso remoto não é permitido quando o QMF para TSO está sendo executado como um procedimento armazenado do DB2 para z/OS.

resource definition online
Consulte RDO.

restrição
Uma regra que limita os valores que podem ser inseridos, excluídos ou atualizados em uma tabela.

restrição de referência
O requisito de que os valores não nulos de uma chave estrangeira designada sejam válidos apenas se eles também aparecerem como valores da chave primária da tabela-pai.
A restrição de referência sempre é definida a partir da perspectiva do arquivo dependente.

restrição de verificação
Uma restrição definida pelo usuário que especifica os valores que colunas específicas de uma tabela base podem conter.
Consulte também restrição.

Restructured Extended Executor
Consulte o REXX.

retroceder
Para restaurar dados que são alterados por uma instrução SQL para o estado em seu último ponto de commit.
As alterações feitas por todas as instruções SQL em uma consulta a várias instruções, exceto aquelas que afetam a sessão do QMF (tal como SET), são revertidas no caso de uma falha.

REXX (Restructured Extended Executor)
Uma linguagem de programação de propósito geral e de alto nível, especificamente adequada para procedimentos ou programas EXEC para computação pessoal.

rotina
Um programa ou sequência de instruções chamadas por um programa.
Normalmente, uma rotina possui um propósito geral e é usada frequentemente.

rotina de saída
Um programa que recebe controle de outro para executar funções específicas.


Letra S

SBCS (single-byte character set)
Um conjunto de caracteres codificados no qual cada caractere é representando por um código de 1 byte.
Um ponto de código de 1 byte permite a representação de até 256 caracteres.
Consulte também conjunto de caracteres de byte duplo.

scalar function
Uma função SQL que opcionalmente aceitas argumentos e que retorna um valor escalar único a cada vez que ela é chamada.
Uma função escalar pode ser referenciada em uma instrução SQL em qualquer lugar que uma expressão seja válida.

seção de controle
Consulte CSECT.

servidor
Consulte servidor de aplicativos.

servidor de banco de dados
Um programa de software que usa um gerenciador do banco de dados para fornecer serviços de banco de dados para outros programas de software ou computadores.

sessão
Todas as interações entre o usuário e o QMF da hora que o usuário inicializa o QMF até a emissão do comando EXIT.

single-byte character set
Consulte SBCS.

sintaxe linear
A sintaxe do comando do QMF que é fornecida em uma instrução de um programa ou procedimento, ou que pode ser fornecida na linha de comandos do QMF.

sistema de gerenciamento de banco de dados relacional
Consulte RDBMS.

solicitante
Consulte solicitante de aplicativo.

SQL (Structured Query Language)
Uma linguagem padronizada para definir e manipular dados em um banco de dados relacional.

SQL authorization ID
Consulte SQLID.

SQL ID (SQL authorization ID)
No DB2 para z/OS, o ID que é usado para verificação da autorização de instruções SQL dinâmicas em algumas situações.

SQLCA (Structured Query Language Communication Area)
Um conjunto de variáveis que fornece a um programa de aplicativo informações sobre a execução de suas instruções ou pedidos SQL a partir do gerenciador de banco de dados.
Quando um erro está associado a um código SQL, a ajuda da mensagem do QMF (disponível ao pressionar a tecla Ajuda) exibe os conteúdos da SQLCA.

Structured Query Language Communication Area
Consulte SQLCA.

subcadeia
Uma parte de uma cadeia de caracteres.

subquery
Uma consulta SQL completa que aparece em uma cláusula WHERE ou HAVING de outra consulta.

subsistema
No DB2 para z/OS, uma instância distinta de um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional (RDBMS).



Letra T

tabela
Em um banco de dados relacional, um objeto de banco de dados que consiste em um número específico de colunas e que é usado para armazenar um conjunto desordenado de linhas.
Consulte também tabela base.

tabela auxiliar
Uma tabela que armazena colunas fora da tabela na qual elas estão definidas.
Consulte também tabela base.

tabela base
Uma tabela que é criada pela instrução SQL CREATE TABLE e que contém dados persistentes.

tabela de controle de recursos
Consulte RCT.

tabela dependente
Uma tabela que é um dependente de um objeto.
Por exemplo, uma tabela cm uma chave estrangeira é um dependente da tabela contendo a chave primária correspondente.

tabelas de controle
Um conjunto de tabelas que o QMF usa para armazenar informações sobre objetos do QMF e gerenciar operações do QMF.
Consulte também catálogo de objetos do QMF.

temporary storage
Uma área usada para armazenar temporariamente um objeto do QMF enquanto o usuário está trabalhando nele de forma que, com cada uso, ele possa ser prontamente acessado sem recuperação do banco de dados adicional.
Há sete áreas de armazenamento temporário: QUERY, DATA, FORM, PROC, REPORT, CHART ou PROFILE.
Com exceção dos dados do resultado da consulta (o objeto DATA), os objetos do QMF nestas áreas podem ser exibidos usando o comando SHOW acompanhado pelo nome da área de armazenamento.
Embora os conteúdos da área DATA não possam ser diretamente exibidos, os usuários podem emitir os comandos SHOW REPORT ou SHOW CHART para visualizar os dados do resultado da consulta formatados com as especificações do formato atualmente na área FORM.
Consulte também objeto do QMF, objeto atual.

temporary storage queue
No CICS, uma fila de itens de dados que podem ser lidos e relidos, em qualquer sequência.
A fila é criada por uma tarefa e persiste até que a mesma tarefa ou outra tarefa a exclua.
Consulte também fila de dados temporários.

texto detalhado de bloqueio
O texto no corpo de um relatório que está associado com uma linha de dados específica.

texto detalhado do título
O texto no título de um relatório.

Time Sharing Option
Consulte TSO.

tipo de dados
Uma classificação identificando um dos vários tipos de dados.
No SQL, o tipo de dado é um atributo de colunas, literais, variáveis de host, registros especiais, parâmetros e os resultados de funções e expressões.

tipo distinto
Um tipo de dado definido pelo usuário que compartilha uma representação comum com tipos de dados integrados.

transação
Uma unidade de processamento consistindo em um ou mais programas de aplicativos, afetando um ou mais objetos, que é iniciada por um único pedido.

transient data queue
Uma área de armazenamento do CICS na qual objetos são armazenados para processamento interno ou externo subsequente.
Consulte também fila de armazenamento temporário.

TSO (Time Sharing Option)
Um elemento base do sistema operacional z/OS que permite que os usuários trabalhem de forma interativa com o sistema.


Letra U

UDF (função definida pelo usuário)
Uma função que é definida para o sistema de banco de dados DB2 usando a instrução CREATE FUNCTION e que pode ser referenciada depois disso em instruções SQL.
Uma UDF pode ser uma função externa ou uma função SQL.

Unicode
Uma codificação de caracteres padrão que suporta a troca, o processamento e a exibição de texto que é escrito nas linguagens comuns ao redor do mundo, além de alguns textos clássicos e históricos.
O padrão Unicode possui um conjunto de caracteres de 16 bits definido pelo padrão ISO 10646.

unit of work
Uma sequência recuperável de operações dentro de um processo aplicativo.
A qualquer momento, um processo aplicativo é uma UOW única, mas a vida de um processo aplicativo pode envolver muitas UOWs como um resultado das operações de commit e retrocesso.
Em uma operação de atualização em vários locais, uma UOW única pode incluir diversas unidades de recuperação.
Em instruções SQL do QMF que incluem várias instruções, todas as instruções contêm uma unidade de trabalho única, portanto, todas as instruções, exceto aquelas que afetam a sessão (como SET), são revertidas no caso de uma falha.


Letra V

valor-padrão
Um valor predeterminado, um atributo ou uma opção que é assumida quando nenhum outro valor é especificado.
Um valor-padrão pode ser definido para dados da coluna nas tabelas do DB2 especificando a palavra-chave DEFAULT em uma instrução SQL que altera dados (tais como INSERT, UPDATE e MERGE).

variação de detalhe
Uma definição de formatação especificada em um painel FORM.DETAIL que, condicionalmente, pode ser usada para formatar um relatório ou parte de um.

variável de agregação
Uma função de agregação que é colocada em um relatório que usa os painéis FORM.BREAK, FORM.CALC, FORM.DETAIL ou FORM.FINAL.
Este valor aparece como parte da quebra inferior, detalhe do bloco de texto ou final do texto quando o relatório é produzido.

variável de substituição
(1) Uma variável em um procedimento ou consulta cujo valor é especificado por uma variável global ou por uma variável de tempo de execução.
(2) Uma variável em um formulário do QMF cujo valor é especificado por uma variável global.

variável de tempo de execução
Uma variável em um procedimento ou consulta, cujo valor é especificado pelo usuário quando o procedimento ou consulta é executado.
O valor de uma variável de tempo de execução está disponível apenas no procedimento ou na consulta atual.
Consulte também variável global.


Letra X

XML (Linguagem de Marcação Extensível)
Uma metalinguagem padrão para definição de linguagens de marcação que são baseada em Standard Generalized Markup Language (SGML).


Letra Z

z/OS
Um sistema operacional de mainframe da IBM que usa armazenamento real de 64 bits.


© Copyright IBM Corp.